in

Amei!Amei!

As Indulgências e a Remissão das Penas Temporais

Mãos sujas e fumaça no escuro
Fotografia por Ian Espinosa o em Unsplash

A indulgência é a remissão, diante de Deus, da pena temporal devida pelos pecados cuja culpa já foi apagada; remissão que o fiel devidamente disposto obtém em certas e determinadas condições pela ação da Igreja que, enquanto dispensadora da Redenção, distribui e aplica, por sua autoridade, o tesouro das satisfações de Cristo e dos Santos.

Catecismo da Igreja Católica, n. 1471

A indulgência pode ser parcial ou plenária, conforme redime parcial ou totalmente a pena devida pelos pecados. Todos os fiéis podem, pois, adquirir indulgências para si mesmos ou aplicá-las aos defuntos.

Como Lucrar uma Indulgência

Para lucrar uma indulgência, o penitente deve, portanto, cumprir algumas condições, as quais listamos a seguir:

  • Primeiramente, estar em Estado de Graça através da Confissão Sacramental;
  • Rejeitar todo e qualquer tipo de pecado, seja ele mortal ou venial;
  • Receber a Sagrada Eucaristia;
  • Rezar pelo Santo Padre, o Papa, ao menos um Pai Nosso, uma Ave Maria e um Glória;
  • Cumprir a Obra Indulgenciada.

Obras Indulgenciadas – Indulgência Plenária

Obras Indulgenciadas – Indulgência Parcial

  • Usar um objeto litúrgico e bento, mas piedosamente (cruz, medalha, terço…)
  • Cumprir uma das Obras de Misericórdia (Corporais ou Espirituais)
  • Persignar-se com água benta, portanto em espírito de oração
  • Oração ao Anjo da Guarda
  • Oração do Veni Creator

As indulgências, longe de serem uma espécie de desconto ao empenho de conversão, mas são antes uma ajuda para um empenho mais pronto, generoso e radical. A condição espiritual para receber a indulgência plenária é a exclusão de todo o afeto a qualquer pecado, mesmo venial. Enganar-se-ia então quem pensasse que pode receber este dom com a simples atuação de algumas observâncias exteriores. Estas são requeridas, ao contrário, como expressão e apoio do caminho de conversão. Manifestam em particular a fé não apenas na abundância da misericórdia de Deus, mas também na maravilhosa realidade de comunhão que Cristo realizou, unindo de maneira indissolúvel a Igreja a si mesmo como seu Corpo e sua Esposa.

São João Paulo II, Papa (Audiência Geral de 29/09/1999)

Conhece a História de Nossa Senhora do Rosário? Leia nosso texto sobre esse título da Mãe de Deus e aprenda! Gostou desse texto? Deixa um comentário aqui embaixo!

E um convite: quer receber apostilas sobre virtudes, sacramentos e muito mais? Então, inscreva-se na nossa lista de e-mails. Se você ignorou o formulário que pulou na sua tela, não se preocupe, tem um logo aqui embaixo, perto da seção dos comentários!

Equipe Tenda do Senhor

Escrito por Equipe Tenda do Senhor

Grupo de Oração Tenda do Senhor

O que você acha?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

São Pio de Pietrelcina

Um Santo disse… com São Pio de Pietrelcina

O Crucifixo de São Marcelo