in

AprendiAprendi Amei!Amei!

A Infantilidade Espiritual

A infantilidade espiritual é um dos maiores inimigos que aquele que luta pela santidade pode ter. Ela é silenciosa e sorrateira. É como uma âncora no fundo do mar. Passa despercebida a maior parte do tempo, mas mantém o navio ancorado, parado.

A Infância Espiritual

Contudo, antes de falarmos sobre a infantilidade espiritual, quero trazer luzes sobre a Infância Espiritual. A criança não traz em si sentimentos de suficiência, mas sim a necessidade constante de seus pais, e os conhece. Do mesmo modo, o cristão deve ser assim diante do Pai: um ser que é todo necessidade.

Outrossim, a criança vive plenamente o presente, sem se preocupar com mais nada; o cristão deve viver o Eterno Presente de Deus em sua vida cotidiana. Aqui, temos um pequeno lampejo sobre infância espiritual.

As Vias Espirituais

Independentemente da espiritualidade particular que cada um segue, há uma base que se chama As Três Vias. Essas Três Vias são: a Via Purgativa, a Via Iluminativa e a Via Unitiva. Os escritos de Santa Teresa d’Ávila exprimem essas Vias Espirituais através das Moradas Interiores, onde ela apresenta o Castelo das Sete Moradas e traça o seu caminho espiritual.

Para Santa Teresa, as quatro primeiras moradas estão na primeira via, a Via Purgativa. As quintas e sextas moradas, na segunda via, a Via Iluminativa. E as sétimas moradas, na terceira e mais alta via, a Via Unitiva. Mas, acredite, essa não é a única forma de espiritualidade ou de se falar sobre as Vias Espirituais.

É apenas uma imagem. São João da Cruz, por exemplo, usava a imagem da Subida ao Monte Carmelo. Outros místicos falam sobre um Caminho, um Jardim Secreto etc.

Seja qual for a imagem usada, as Três Vias Espirituais fazem parte da Teologia Espiritual Cristã e servem de base para qualquer espiritualidade particular autêntica e cristã.

A Infantilidade Espiritual

Agora que já caminhamos um pouco sobre as vias espirituais, quero apresentar a infantilidade espiritual em si, que, opondo-se à infância espiritual, é a birra de criança que o cristão faz por não querer seguir a Vontade de Deus ou por se achar bom o suficiente para depender do Pai.

Aqui, temos o pecado capital do Orgulho como raiz profunda e primeira de todos os pecados, e como base da infantilidade espiritual. Contudo, o pecado do Orgulho passa absolutamente despercebido, pois ele atua através de outros três pecados capitais mais claros: a Luxúria, a Gula e a Preguiça.

Quem vive essa infantilidade espiritual, trilha ainda os primeiros passos da Via Purgativa, pois esses pecados acorrentam, mantêm preso ao chão (lembra da âncora do navio?) o cristão que, achando que está andando, está dando voltas em torno de si mesmo (voltamos ao pecado do Orgulho).

Na nossa próxima partilha, abordaremos o pecado capital da Luxúria: como ele age, o estrago que ele faz e como podemos vencê-lo.

Deus nos abençoe.

2ª Semana: A Falácia da Sensualidade Livre

André Butzke

Escrito por André Butzke

O que você acha?

Comentários

Deixe uma resposta

Avatar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Apostila Virtude da Justiça

sensualidade livre

A Falácia da Sensualidade Livre