in

AprendiAprendi Amei!Amei!

Inspirações Bíblicas Missionárias #04

pessoa segurando a bíblia
Fotografia por Priscilla Du Preez em Unsplash

O Mandamento Missionário no Evangelho de São Marcos

Todos os evangelistas com sua comunidade foram recordando dos feitos e das palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo. Foi assim que os Evangelhos foram sendo escritos. Sem entrarmos em questões exegéticas profundas, vale a pena entender este detalhe: cada evangelista tem um estilo e características próprias. E se o seu texto integral em si traz estes elementos específicos, não seria diferente encontrar detalhes que particularizam o Mandato Missionário em cada Evangelho.

Assim, se no último artigo conhecemos este Mandato Missionário no Evangelho de São Mateus, agora o convite é entrar no texto de São Marcos e ali escutar o Senhor Jesus enviando seus discípulos à missão.

O curioso detalhe do último capítulo do Evangelho de São Marcos

Quando lemos o último capítulo do Evangelho de Marcos, isto é, o capítulo 16, notamos em evidência no versículo 15, o Mandato Missionário. Porém, o final do capítulo, do versículo 9 ao 20, segundo os exegetas, foi um acréscimo da comunidade primitiva. Conforme estes estudos, dizem que a real intenção do evangelista Marcos era a de terminar abruptamente seu escrito, deixando aos leitores a tarefa de completar o seu Evangelho em suas vidas.

Assim, o versículo 15, que é o texto do Mandato Missionário em Marcos, não seria original. Desta forma, diferente dos outros evangelistas, todo o último capítulo torna-se o envio, ou seja, ele expressa a mensagem e o desejo de Jesus Ressuscitado em nos enviar.

No estudo do Mandato de Missão em Marcos é interessante descobrir o texto inteiro que o exprime. Por isso, é importante, em primeiro lugar, conhecer todo o capítulo 16, que contém o referido mandato.

A Experiência Pascal é o núcleo do Evangelho de São Marcos

O núcleo do Evangelho, que está na origem da experiência cristã, é condensado na frase que um misterioso personagem dirige às mulheres na madrugada de Páscoa, perto do sepulcro vazio:

Não vos espanteis! Estais procurando Jesus de Nazaré, o Crucificado. Ressuscitou, não está aqui.

Marcos 16,6

Foi por causa deste único e central versículo que aqueles anteriores foram escritos: juntos formam todo o anúncio da Páscoa no Evangelho de Marcos.

Os evangelistas são modestos e honestos, não cedem a exageros. O importante é saber da visita matutina de algumas mulheres, entre elas Maria Madalena, como se pode ver em outros relatos do episódio. E que, chegando, elas podem ver que a grande pedra que tapava o túmulo está removida: entrada do túmulo, que na mentalidade bíblica é o símbolo do abismo da morte está aberta!

A pedra rolada, o sepulcro vazio não serão provas, mas servirão como indício para quem crê, pois só o encontro com o Senhor vivente fará amadurecer a fé nele como o Ressuscitado!

Missão e Medo

Aquele anjo confia às mulheres a missão de anunciar aos discípulos e a Pedro a novidade e, como profetizado, a futura realização do encontro marcado com o Senhor Ressuscitado, na Galileia. Este encontro com o Ressuscitado não acontece entre túmulos, no passado, e sim no futuro!

A ressurreição abre o novo futuro, reorganiza os discípulos, faz iniciar, com vigor restaurado, a missão. E, assim, a Galileia será o lugar especial de onde se proclamou, pela primeira vez, o anúncio do Reino de Deus e o lugar do reencontro.

Mas entre as mulheres, há medo e estupor e elas não cumpriram a ordem de missão que receberam do mensageiro divino, o anjo sentado, lá dentro do túmulo:

Elas saíram e fugiram do túmulo, pois um tremor e um estupor se apossaram delas. E nada contaram a ninguém, pois tinham medo…

Marcos 16,8

A continuação do Evangelho de São Marcos é conosco, hoje!

São Marcos realmente tinha a intenção de, terminando seu evangelho assim, em aberto, convocar todos os discípulos, homens e mulheres, para propagarem a Boa-Nova, isto é, a de que Deus trouxe a vida da morte, ressuscitando Jesus. O evangelista fez assim para que os discípulos de todas as gerações pudessem continuar o seu Evangelho sem o medo nem o espanto e o tremor das três mulheres do sepulcro!

Talvez os leitores deste evangelho perguntassem como poderiam ser discípulos melhores do que aqueles que conviveram com Jesus e viveram aqueles acontecimentos. Por isso, é provável que o evangelista respondesse assim:

Este Evangelho foi escrito para vós! Perseverai como fiéis seguidores do Jesus que lhes apresentei. Sua ressurreição não é o fim! Ele vos precede como o servo Messias. Agora precisais cuidar das necessidades dos mais pobres até que ele venha novamente. Ele deu sentido ao sofrimento e trouxe vida da morte. Confiai nele e dai a vida dele aos que não têm esperança. Seja o que for que façais, deixai os outros saberem por vossas palavras corajosas e vossa vida de serviço que ouvistes o chamamento do Senhor e decidistes seguir sua liderança até vê-lo conforme ele prometeu.

D. BERGANT – R. J. KARRIS, Comentário Bíblico, São Paulo, 1999 p. 71.

Agora é conosco!

Porém, o final abrupto de Marcos não foi muito aceito durante os primeiros anos da História da Igreja. Por isso, alguns cristãos do século I ou II tentaram completar o evangelho, supondo que o autor a isto desejasse. Mesmo assim, a conclusão do Evangelho de São Marcos tem o propósito de inspirar a Igreja missionária primitiva a “ir pelo mundo inteiro proclamando o Evangelho a todas criaturas”.

Esta Igreja missionária não deveria nada temer, porque o Senhor que foi arrebatado ao céu permanecia com eles em sua pregação, confirmando sua mensagem com os sinais de sua proteção e seu poder, afinal de contas o Evangelho ainda está sendo escrito… agora, por nós!

Pe. Daniel Rocchetti, SAC

Escrito por Pe. Daniel Rocchetti, SAC

Sacerdote palotino (Sociedade do Apostolado Católico) assessor da Comissão Episcopal Pastoral para Ação Missionária e Cooperação Intereclesial da CNBB.

O que você acha?

Deixe uma resposta

Avatar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Nossa Senhora da Natividade

A Devoção à Nossa Senhora da Natividade

Nossa Senhora de Coromoto

A visão de Nossa Senhora do Coromoto